1 semi para a sua vida


TGV, CIV, Tetralogia de Fallot : Quesako?

Com menos de 10 dias para o início da prova, decidi apresentar-vos 3 malformações e doenças cardíacas que os médicos da Mécénat Chirurgie Cardiaque operam.

Tansposição dos Grandes Vasos ou TGV

É definido por uma inversão (transposição) dos grandes vasos, ou seja, a artéria pulmonar e a aorta. A aorta (Ao), em vez de estar ligada ao ventrículo esquerdo (VE), sai do ventrículo direito (Vd) e a artéria pulmonar (AP) do ventrículo esquerdo. Como resultado, o sangue azul desoxigenado do corpo através da veia cava é devolvido ao corpo através da aorta, enquanto o sangue vermelho oxigenado dos pulmões é devolvido aos pulmões. Existem assim dois circuitos separados, vermelho e azul, completamente ineficazes, que não permitem a oxigenação dos vários órgãos. Esta malformação é incompatível com a vida na ausência de comunicação entre estes dois circuitos (diagrama).

Schematic: No caso de VHT , a aorta (Ao) sai do ventrículo direito (VD) e transporta assim sangue azul para o corpo. O ventrículo esquerdo (VE) ejeta o sangue vermelho para os pulmões (AP). A presença (frequentemente transitória) do ductus arteriosus (CA) e do forame oval (FO) permite algum grau de mistura entre a circulação ‘azul’ e ‘vermelha’.

Comunicação interventricular ou IVC

Indica uma passagem que existe entre o ventrículo direito e o esquerdo enquanto que num coração ‘normal’ a parede entre estes dois ventrículos é bastante apertada e intacta. Esta comunicação permite que o sangue vermelho flua do ventrículo esquerdo (VE) para o ventrículo direito (VD) e assim para as artérias pulmonares. Isto leva ao aumento do trabalho do coração e ao aumento do sangue nos pulmões.

Deve ser feita uma distinção entre VIC isolado e VIC associado a outras grandes malformações. Assim, o VIC é obrigatório na “tetralogia de Fallot” ou “artéria do tronco comum” (ver abaixo). Pode também ser visto na coarctação da aorta, interrupção do arco aórtico, e muitas outras malformações cardíacas.

Tetralogia de Fallot

Foi Arthur Fallot quem primeiro, em 1888 descreveu a tetralogia ou “doença azul”, reunindo um defeito septal interventricular (IVC), uma aorta que envolve os ventrículos direito e esquerdo, hipertrofia (espessamento) do ventrículo direito, e uma obstrução na via de ejecção do ventrículo direito. Este obstáculo pode estar localizado ao nível da válvula pulmonar (estenose valvular), abaixo ou acima da válvula pulmonar (estenose pulmonar sub ou supra-valvular), ao nível das artérias pulmonares, ou em todo o lado ao mesmo tempo (Diagrama). Esta anatomia favorece a passagem de sangue azul, através da IVC para a aorta onde se mistura com sangue vermelho, gerando assim cianose (aspecto “azul”).

Em alguns casos, a válvula pulmonar não se abre de todo. A isto chama-se tetralogia de Fallot com atresia da válvula pulmonar. A persistência do ductus arteriosus ali é essencial para permitir a passagem de sangue para os pulmões.

Se quiser pesquisar mais ou obter mais informações sobre estas doenças, sinta-se à vontade para clicar no seguinte link: http://www.cardiologiedesenfants.be/bon-coeur-coeur-malade/malformations-congenitales/malformations-congenitales.html

De facto, estas não são as únicas doenças que afectam as crianças, também encontramos: Atresia tricúspide; malformações do canal atrio ventricular intermédio; recessão mitral; malformação do canal arteriosus; malformação do tronco comum; malformação do arco aórtico.

Espero que este artigo o tenha interessado e vejo-o este fim-de-semana para a última etapa da preparação.

Romain

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *