Como se calcula o tamanho de uma multidão?

Quantas pessoas foram ontem às ruas de Montreal para se manifestarem contra as caminhadas escolares – 100.000, 200.000? Os editores não concordam. Enquanto Le Devoir mandava esta manhã “200.000 vezes “ouve-nos!”, La Presse foi com “100.000 NÃO!”

2ª versão

Quantas pessoas foram ontem às ruas de Montreal para se manifestarem contra as caminhadas escolares? 100.000, 200.000? Os editores não concordam. Enquanto o Le Devoir mandava esta manhã “200.000 vezes “ouve-nos!”, La Presse dizia “100.000 NÃO!”

Enquanto em Montreal o departamento de polícia (SPVM) não divulgou estimativas de multidões durante alguns anos, noutros locais, entre departamentos de polícia e organizadores, os números divergem muitas vezes colossalmente. Quem está a dizer a verdade? Como é que eles contam? Um método é medir a filmagem quadrada da marcha e multiplicá-la pelo número de manifestantes por pé quadrado. Outro apela, em vez disso, à contagem do número de manifestantes numa única fila da marcha, contando então o número de filas a marchar e multiplicando o número resultante pelo número de manifestantes numa fila.

Em França, onde a cobertura dos protestos é legião, a ideia de criar uma entidade independente para contar os manifestantes é regularmente sugerida. Enquanto esperava que se tornasse realidade, o Le Petit Journal do Canal+ seguiu humorosamente um sindicalista de Marselha especializado em contagem, enquanto o Le Figaro fez a pergunta mais seriamente à polícia e aos sindicatos:

/div>

Para evitar fazer uma escolha editorial entre a avaliação da polícia ou a dos organizadores, algumas redacções estão a fazer os seus próprios cálculos. A San Francisco Chronicle, em particular, experimentou a experiência. Durante um protesto contra a guerra no Iraque em 2003, utilizando fotografias aéreas tiradas de um helicóptero, o jornal contou 65.000 manifestantes, enquanto os organizadores afirmaram ter reunido 200.000,

Outros meios de comunicação utilizam empresas especializadas na contagem de multidões, tais como a Lynce-ExactCrowd. Esta empresa espanhola utiliza software que conta os manifestantes um a um a partir de fotografias aéreas. Apresenta sistematicamente dados que estão muito afastados dos dos organizadores. Durante uma manifestação em Paris no Outono passado, por exemplo, contou 80.330 manifestantes, enquanto havia 330.000 de acordo com os organizadores e 89.000 de acordo com a polícia.

Para o fundador e director da Lynce-ExactCrowd, Juan-Manuel Gutierrez, os seus métodos científicos evitam que os media caiam na armadilha política. “Como cientista, o que me interessa não são os motivos de um protesto, o seu sucesso ou fracasso. É o número real de participantes”, diz ele à France-Soir.

Então quantos eram ontem? Vamos contar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *