Contaminantes químicos (Português)

P>Pesticidas são produtos fitossanitários destinados a controlar organismos animais ou vegetais considerados prejudiciais. São utilizados em grandes quantidades e em vários domínios: agricultura, obras públicas (manutenção de estradas e caminhos-de-ferro) e para vários usos privados (jardinagem…) 1.

alguns destes produtos sintéticos, amplamente utilizados desde a Segunda Guerra Mundial, podem ter um impacto ambiental muito significativo devido às suas características 2:

  • tóxico: são nocivos para os seres humanos e o ambiente,
  • persistente: retêm a sua toxicidade durante muitos anos antes de se degradarem,
  • li> lipossolúvel e bioacumulativo: acumulam-se nos tecidos gordos dos organismos vivos ao longo das cadeias alimentares,

  • móvel: encontram-se em regiões distantes do local da sua utilização e particularmente no ambiente marinho.

Em França, 76.000 toneladas de pesticidas foram vendidas em 2003. Os riscos de contaminação dos ambientes costeiros e estuarinos por pesticidas dependem principalmente do transporte destes produtos das bacias hidrográficas dos principais rios 3,

De acordo com um inquérito realizado pelo DRAF – Departamento Regional de Protecção Vegetal, 2053 toneladas de ingredientes activos foram comercializadas em 2003 por distribuidores de produtos fitofarmacêuticos aprovados na Baixa Normandia (distribuidores agrícolas e centros de jardinagem). Dos cerca de 150 ingredientes activos utilizados, 15 representam três quartos dos usos e a maioria dos pesticidas utilizados têm acções herbicidas 4,

Além do uso agrícola que representa 89% dos produtos fitossanitários utilizados na Baixa Normandia, os pesticidas também são utilizados em áreas não agrícolas (11%). A maior parte desta utilização é feita por particulares (88%), municípios (9%), SNCF (2%) e DDE (1%). 4. Em 1997, os municípios da Baixa Normandia utilizaram apenas 20 toneladas de substâncias activas, mas as suas práticas apresentam elevados riscos de contaminação da água. De facto, as aplicações de herbicidas são frequentemente realizadas em suportes (estradas) praticamente impermeáveis, que podem causar escoamentos significativos durante episódios de chuva 4.

Dois insecticidas organoclorados são rotineiramente monitorizados pelo RNO, são lindano (gHCH) e DDT (diclorodifeniltricloroetano). Esta família de insecticidas é altamente tóxica para a vida selvagem aquática 5.

LindaneZoom de janela Lindane (fonte)

Lindane (C 6H 6Cl 6) é utilizado para tratamentos antiparasitários em humanos (piolhos) e animais mas também para protecção de sementes e para desinfecção de edifícios e vestuário 5. A sua utilização na agricultura tem sido proibida desde 1 de Julho de 1998. A intoxicação aguda pelo lindano resulta em danos para o sistema nervoso: dores de cabeça*, tonturas, irritabilidade, problemas de equilíbrio e possivelmente convulsões 6. O lindano é considerado cancerígeno em animais, por outro lado, não foi demonstrado que tenha uma acção mutagénica e teratogénica* 5.

Em todos os pontos de monitorização na Normandia, as medianas, calculadas durante o período 2004-2006, estão próximas da mediana nacional (0,4 µg/kg dw.), excepto para 2 sectores (“Cap de la Hève” e “Ouistreham”) que mostram medianas ligeiramente superiores (respectivamente 1,3 e 1,6 vezes) 7. É importante notar que a mediana nacional, durante estes 7 últimos anos, foi dividida por 4 (1,5 µg/kg no período 1999-2001, 0,8 µg/kg no período 2001-2003 e 0,4 µg/kg no período 2002-2005). Esta forte diminuição nas concentrações de lindano também foi observada em todos os locais na Normandia. De facto, as concentrações observadas durante o período 2004-2006 são 2 a 3 vezes inferiores às observadas durante o período 2001-2003. A proibição da utilização do lindano desde 1998, e as mudanças nas práticas agrícolas são responsáveis por esta forte diminuição das concentrações no ambiente marinho.

DDDT Consequências da proibição do DDT (fonte)

Dicloro-Difenil-Tricloroetano (DDT), um pesticida barato e extremamente eficaz, foi amplamente utilizado na luta contra os mosquitos, os vectores da malária, a partir dos anos 50. Posteriormente, foi utilizado maciçamente pelos agricultores para eliminar insectos prejudiciais às suas culturas 2.
As provas dos efeitos tóxicos significativos do DDT e seus derivados no ambiente e mais particularmente nas populações de aves (redução da espessura das cascas de ovos) levaram à sua proibição em muitos países, incluindo a França, no início dos anos 70 3. Contudo, hoje em dia, o DDT é tolerado em países onde a malária ainda é abundante e por vezes na Europa, mas com severas restrições à sua utilização 2.
Apesar destas proibições de utilização e devido à sua persistência e estabilidade no ambiente, o DDT ainda é encontrado em solos e sedimentos décadas após a sua utilização. As entradas para o ambiente marinho são atmosféricas, devido à sua natureza semi-volátil, mas também através de rios e movimentos de sedimentos, uma vez que o DDT tende a adsorver-se em partículas sólidas.

Diminuição generalizada da contaminação da costa da Baixa Normandia pelo DDT e seus derivados tem sido observada desde o início dos anos 80 (cf.mapa de resultados brutos).
No Ocidente, de “Port-en-Bessin” a “Bréville”, as medianas são claramente inferiores à mediana nacional (5,8 µg/kg dw) 7. As concentrações observadas nos 4 pontos do departamento de Manche situam-se entre 1,5 e 3,5 µg/kg durante o período 2004-2006, portanto muito inferiores à mediana nacional.
No leste, os 3 pontos situados na foz do Sena, “Antifer digue”, “Cap de la Hève” e “Villerville”, apresentam medianas muito superiores à mediana nacional (respectivamente 1,4, 3,2 e 3,5 vezes superiores). No entanto, pode-se notar que em “Villerville”, a mediana diminuiu de 36,6 µg/kg dw para o período 1999-2001 para 28,0 µg/kg dw para 2001-2003 e para 20,5 µg/kg dw para o período 2002-2005 e 2004-2006 7,

Notas:
* dor de cabeça: hipertensão intracraniana resultando em dores de cabeça.
* teratogénico: resultando em desenvolvimento embrionário anormal ou malformações.

Fontes:
1 Rede de dados da água da bacia do Ródano-Córsega-Mediterrâneo
2 Consequências da proibição do DDT
3 TRONCZYNSKI J. (coord), 1999, Les organiques qui laissent des traces ‘ Sources, transport et devenir, IFREMER, Région Haute Normandie, (Programme scientifique Seine- Aval), 12, 39 p.
4 DRAF de Basse Normandie – S.R.P.V. – FREDEC , 1998/1999, Connaissance des pratiques phytosanitaires bas-normandes en zones agricoles et non agricoles, 45p.
5 RODIER J., 1996, L’analyse de l’eau – eaux naturelles, eaux résiduaires, eau de mer, 8 ème édition, Paris, Dunod, 1394p.
6 Lindane, Paris, INRS, 1992, Collection Fiche toxicologique, FT 81, 6p.
7 Qualité du milieu marin littoral – Bulletin de la surveillance, Edição 2008, IFREMER, RST / LERN / 08-04, Laboratoire Environnement et Ressources de Normandie, 105 p.

Pode descarregar os seguintes mapas em formato pdf para obter uma impressão de boa qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *