Crucificar a carne

Crucificar a carne

O Apóstolo Paulo usa esta expressão, que desenvolve de várias formas, e estabelece o princípio da mesma como o fundamento essencial de uma vida santificada essencial para ser agradável a Deus.

O seu ensino sobre este assunto é claro e intransigente, consistente com a vontade de Deus. Aplica-se a todos os que pertencem ao Senhor Jesus Cristo:

Os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e desejos. Galatians 5:24

O que ele diz sobre isso deve remover todas as ilusões daqueles que acreditam que os seres humanos não são tão maus e que podem melhorar ou que a natureza carnal desaparece no novo nascimento.

A carne

O termo, usado especialmente nos escritos de Paulo, refere-se à natureza humana sujeita a luxúrias e desejos malignos.

Pois quando estávamos na carne (“quando vivíamos segundo a nossa própria natureza”, (versão bíblica actual francesa), as paixões dos pecados causados pela lei actuavam nos nossos membros, de modo que dávamos fruto para a morte. Romanos 7:5

Neste sentido, a palavra carne abrange todo o ser humano (mente, alma e corpo) privado do Espírito de Deus, incapaz de fazer o bem de acordo com a mente de Deus.

O apóstolo Paulo descreve a natureza do ser carnal:

Agora as obras da carne manifestam-se, que são fornicação, impureza, dissolução, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, ciúmes, animosidades, contendas, divisões, sectarismo, inveja, embriaguez, excessos da mesa, e afins. Digo-vos de antemão, como já disse antes, que aqueles que fazem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Galatians 5:19

Ele conhecia por experiência pessoal a natureza profunda do ser humano, que nos diz respeito a todos sem excepção: “Eu sou carnal, vendido ao pecado”. Romanos 7:14

Pois não há distinção: todos pecaram e ficam aquém da glória de Deus…Romanos 6:23

Não há nenhum justo, nem sequer um… Romanos 3:10

Todos nós também éramos do seu número, e antigamente vivíamos de acordo com as luxúrias da nossa carne, fazendo as vontades da carne e dos nossos próprios pensamentos, e éramos por natureza filhos da ira, como os outros… Efésios 2.1

O ser humano é naturalmente pecador, como o Senhor Jesus Cristo declarou:

Para fora do interior, para fora do coração dos homens, prosseguir pensamentos maus, adultérios, fornicações, homicídios, roubos, cobiça, maldade, engano, desarranjo, inveja, calúnia, orgulho, loucura.
Todas estas coisas más procedem de dentro, e contaminam o homem. Marcos 7:21

Estas passagens, e algumas outras, ajudam-nos a perceber a nossa verdadeira natureza e a tirar todas as ilusões.

É importante conhecermo-nos a nós próprios, não de acordo com a nossa própria visão de nós próprios, pois tendemos a ser auto-indulgentes e a iludir-nos por falsos raciocínios, mas de acordo com o que Deus sabe de nós. Agora o Seu veredicto é intransigente.

Como está escrito, Não há nenhum justo, Não, ninguém; Ninguém tem entendimento, ninguém procura Deus; Todos estão perdidos, todos são pervertidos; Não há nenhum que faça o bem, nem um … Romanos 3:10 a 19

Coabitação conflituosa?

Podemos pensar que ao convertermo-nos a Cristo a nossa natureza pecaminosa desapareceria para dar lugar a uma nova natureza trazida pelo Espírito de Deus, aquilo a que Jesus chama “nascer de novo”. João 3

Alas, deve dizer-se que a natureza carnal continua a existir como o apóstolo Paulo escreve:

Por isso encontro esta lei em mim: quando quero fazer o bem, o mal está ligado a mim. Porque me deleito na lei de Deus, segundo o homem interior; mas vejo outra lei nos meus membros, que se esforça contra a lei do meu entendimento, e me faz prisioneiro da lei do pecado, que está nos meus membros. Romanos 7:21

Nas suas várias cartas às igrejas, ele repreende os discípulos pelo seu comportamento carnal:

… você ainda é carnal. Pois como há ciúmes e contendas entre vós, não sois carnais, e não andais segundo o homem?”

A natureza humana tem dentro de si os seus desejos, inclinações, atracções, luxúrias, e paixões. E esta natureza permanece após a conversão e o novo nascimento. Portanto, surge um conflito interior: o nosso ser carnal opõe-se ao Espírito de Deus!

A carne tem desejos contrários aos do Espírito, e o Espírito tem desejos contrários aos da carne; eles opõem-se uns aos outros, de modo que não podeis fazer o que quereis. Galatians 5:17

Ler Artigo: Oposto um do outro

The Choice

Nascer de novo não nos faz “robôs espirituais” sujeitos a um programa incorporado no nosso sistema neurológico!

A recepção de uma criança de Deus não priva o indivíduo da sua liberdade de escolha nem das suas responsabilidades! Colocado antes da tentação, pode e deve tomar uma decisão. Jesus, o próprio Cristo, passou pelo teste várias vezes durante a Sua vida terrena.

Pois não temos um sumo sacerdote que não possa simpatizar com as nossas fraquezas; pelo contrário, Ele foi tentado como nós somos em todas as coisas, sem cometer pecado. Hebreus 4:15

Deus estava a dizer ao seu povo Israel:

Di>Pus diante de vós a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolha a vida, para que possa viver, você e a sua semente, Deuteronómio 30:19

Os que pertencem a Jesus Cristo, que se tornaram filhos de Deus, são colocados antes de uma escolha de vida:

Não dêem os vossos membros ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas entreguem-se a Deus, como estando vivos dos mortos que foram, e ofereçam os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Romanos 6:13

É-lhes ensinado a adiar o velho homem, que é corrompido por luxúrias enganosas, e a renovar-se nas suas mentes, e a vestir o novo homem, criado segundo Deus em justiça e santidade, que a verdade produz. Ephesians 4:22

A escolha depende de dois elementos principais: afecto e dever, e por vezes os dois estão em desacordo.

A nossa escolha é inspirada pela fonte do nosso afecto: a carne ou o espírito.

Para aqueles que vivem de acordo com a carne colocam o seu afecto nas coisas da carne, enquanto que aqueles que vivem de acordo com o espírito colocam o seu afecto nas coisas do espírito. Romanos 8:5

Como escreve o apóstolo Paulo, somos constantemente confrontados com o apelo de qualquer um dos dois:

Porque me deleito na lei de Deus, de acordo com o homem interior; mas vejo outra lei nos meus membros, lutando contra a lei do meu entendimento, e levando-me cativo à lei do pecado, que está nos meus membros. Romanos 7

Se queremos realmente permanecer em Cristo Jesus, agradar a Deus, e viver segundo o Espírito Santo, devemos estar dispostos a crucificar a nossa natureza carnal

Os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e desejos. Galatians 5:24

Crucificando a carne

Muitos verdadeiros filhos de Deus não compreendem completamente o processo espiritual de viver não de acordo com a carne, mas de acordo com o Espírito.

Ou lutam nas suas próprias forças e falham, ou pensam que Deus os libertará imediatamente da sua natureza pecaminosa e descobrem que nada acontece como eles esperam.

O processo estabelecido por Deus é chamado “crucificação”. Não é para melhorar a nossa velha natureza, para a transformar, ou para a fazer desaparecer, mas para a fazer morrer, crucificá-la!

O que significa isto? Como é isto feito?

Em grego, o verbo tenso “crucificaram” indica algo que ocorreu de forma decisiva, como uma realidade perante a qual somos colocados na nossa conversão a Cristo e que aceitámos.

Leia cuidadosamente o texto seguinte e medite nele frequentemente.

Não sabe que todos nós que fomos baptizados em Jesus Cristo fomos baptizados na sua morte?
Fomos portanto enterrados com ele pelo baptismo na sua morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dos mortos pela glória do Pai, assim também nós devêssemos caminhar em novidade de vida.
Porque se nos tornámos uma só planta com ele através da conformidade com a sua morte, seremos também uma só planta com ele através da conformidade com a sua ressurreição, sabendo que o nosso velho foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado pudesse ser destruído, para que não sejamos mais escravos do pecado; pois aquele que morreu está livre do pecado.
Agora, se tivermos morrido com Cristo, acreditamos que também viveremos com Ele, sabendo que Cristo ressuscitado dos mortos já não morre; a morte já não tem poder sobre ele.
Porque morreu, e pelo pecado morreu de uma vez por todas; e veio à vida, e por Deus vive.
Então vós próprios vos considerais mortos para o pecado, e vivos para Deus em Cristo Jesus.
Não deixeis portanto reinar o pecado no vosso corpo mortal, nem obedeçais às suas concupiscências.
Não dai os vossos membros ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas entregai-vos a Deus, como estando vivos dos mortos que fostes, e oferecei os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Romanos 6:3

Deixe-nos recordar esta palavra:

Por isso sede vós mesmos mortos para o pecado, e vivos para Deus em Cristo Jesus

Este é o princípio da crucificação da carne!

Considerar que a nossa natureza pecaminosa, o homem velho, foi crucificado com Cristo e decidir mantê-lo lá todos os dias, todos os momentos.

Crucificação é uma provação humilhante e dolorosa, mas é a isso que somos chamados em relação à nossa natureza pecaminosa. não para expiarmos nós próprios os nossos pecados, pois Jesus fez isso no nosso lugar, mas para nos considerarmos mortos para pecar, ou seja, para deixarmos de ter nada a ver com isso.

Jesus foi tentado a descer da cruz para provar que era o Filho de Deus, mas desdenhou essa tentação porque tinha de se oferecer como sacrifício para expiar os nossos pecados e salvar-nos.

Nós, somos tentados a deixar a nossa natureza pecaminosa exercer os seus desejos, os seus desejos, de acordo com as suas luxúrias carnais novamente, mas devemos resistir a estas tentações a fim de perseverar na comunhão com Deus nosso Pai e com o Senhor Jesus Cristo, através do Espírito Santo.

Desejar e ser capaz

Desejar é a primeira coisa que deve acontecer quando tomamos consciência da profanação das obras da carne e nos ressentimos por ela de acordo com um verdadeiro espírito de arrependimento.

De facto, a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação da qual nunca nos arrependemos, enquanto a tristeza do mundo produz a morte. 2 Coríntios 7:10

Manhã segundo Deus é o que o Espírito Santo nos inspira a fazer quando Ele nos convence do pecado!

O pecado que cometemos entristece o Espírito Santo que nos testemunha a Sua dor, a fim de nos fazer arrepender e não ceder mais à tentação.

Finalmente, se tivermos a vontade, avise-nos que o poder não depende de nós mas de Deus

O apóstolo Paulo escreve:

O próprio Deus trabalha em si; a sua bondade amorosa desperta em si tanto a vontade como a escritura, para que os seus propósitos amorosos possam ser cumpridos. Filipenses 2:13 ‘(Versão de Palavra Viva A.Kuen)

As escrituras citam frequentemente a disposição dos corações de Deus em muitas circunstâncias para a realização da Sua vontade. O versículo acima encoraja-nos a acreditar nisso e a pedir-Lhe que disponha os nossos corações para querer crucificar a carne com as suas paixões e desejos.

Esta foi a oração de David, entristecido e assustado com a atracção que o pecado tinha sobre ele.

O Deus, cria em mim um coração limpo; Renova em mim um espírito disposto. Salmos 51:10

O Espírito Santo que habita em nós inspira novos sentimentos e desejos.

Da mesma forma, também o Espírito nos ajuda na nossa fraqueza, pois não sabemos o que devemos pedir nas nossas orações. Mas o próprio Espírito intercede com suspiros inexprimíveis; e aquele que sonda os corações sabe o que é a mente do Espírito, porque é segundo Deus que ele intercede pelos santos. Romanos 8:26

Então se realmente quisermos viver de acordo com o Espírito, ansiando por ele com todo o nosso coração, pedindo sinceramente a Deus com todo o nosso coração, Ele dar-nos-á o poder!

Or, a Ele que é capaz de fazer, pelo poder que opera em nós, infinitamente para além de tudo o que pedimos ou pensamos, a Ele seja a glória na Igreja e em Cristo Jesus, para todas as gerações, para todo o sempre! Ámen! Efésios 3:5

Que o Deus da paz, que trouxe dos mortos o grande pastor das ovelhas, através do sangue de um pacto eterno, nosso Senhor Jesus, vos permita fazer toda a boa obra para a realização da sua vontade, e trabalhar em vós o que lhe agrada, através de Jesus Cristo, a quem seja a glória para todo o sempre! Amen!

Não desanime

A experiência ensina-nos que o fracasso está muitas vezes nas cartas nesta luta entre a nossa natureza carnal e o novo ser criado em nós de acordo com Deus em Jesus Cristo.

Sempre que sucumbimos lamentamos e lamentamos, pelo menos assim deve ser!

Nunca desista, nunca desista nesta luta, nunca desespere da bondade, compaixão e misericórdia de Deus.

Então, uma vez que estamos rodeados por uma nuvem tão grande de testemunhas, livremo-nos de toda a carga, e do pecado que tão facilmente nos envolve, e corramos com perseverança na carreira que nos está aberta, tendo os olhos postos em Jesus, cabeça e consumador da fé, que, tendo em vista a alegria que lhe foi colocada, sofreu a cruz, desprezou a vergonha, e sentou-se à direita do trono de Deus.
Porque considere aquele que suportou tal oposição dos pecadores contra a sua pessoa, para não se cansar com uma alma desanimada.
Você ainda não resistiu até ao ponto de sangue, lutando contra o pecado. Hebreus 12:1

E se cairdes, lembrai-vos deste ditado da Escritura: Pois sete vezes cairá o justo, e ressuscitará, Provérbios 24:16

Deixai-o voltar ao Senhor, que terá piedade dele, ao nosso Deus, que não está cansado de perdoar. Isaías 55:7

Top de página

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *