définition – Pragmatics signaler un problème (Português)

br>

Linguística

>br>>

Linguística teórica

br>>>ul>

  • Linguística cognitiva
  • Linguística gerativa
  • Funcional teorias da gramática
  • Linguística quantitativa
  • Linguística descritiva

    br>>>ul>

  • Linguística antropológica
  • Linguística comparativa
  • Histórica linguística
  • br>

    Linguística aplicada e
    linguística experimental

    >br>>ul>

  • Linguística computacional
  • Linguística revolucionária
  • Linguística forense
  • Internet linguística
  • Aquisição linguísticaAvaliação linguísticaDesenvolvimento linguísticoEducação linguísticaAntropologia linguísticaNeurolinguística>PsicolinguísticaSegundo…aquisição linguística br>>

    >br>>ul>>>li>História da linguística

  • Prescrição linguística
  • Lista de linguistas
  • Lista de problemas não resolvidos em linguística
  • >br>>p>Portalbr>

    br>>div> Este artigo é sobre o subcampo da linguística. Para outros usos, ver Pragmatic.

    Este artigo ou secção necessita da atenção de um especialista no assunto.

    Os seguintes WikiProjects ou portais podem ajudar a recrutar um:

    – WikiProject Linguística Teórica – WikiProject Logic- Portal de Lógica – WikiProject Philosophy- Portal de Filosofia Se existir outro WikiProject ou portal apropriado, por favor ajustar este modelo em conformidade. (Fevereiro de 2009)

    Pragmática é um subcampo da linguística que estuda as formas em que o contexto contribui para o significado. A pragmática engloba a teoria do acto de fala, a implicação conversacional, o falar em interacção e outras abordagens ao comportamento linguístico em filosofia, sociologia e linguística. Estuda como a transmissão de significado depende não só do conhecimento linguístico (por exemplo, gramática, léxico, etc.) do orador e do ouvinte, mas também do contexto do enunciado, do conhecimento sobre o estatuto dos envolvidos, da intenção inferida do orador, e assim por diante. A este respeito, a pragmática explica como os utilizadores da língua são capazes de superar a aparente ambiguidade, uma vez que o significado depende do modo, lugar, tempo, etc. de uma enunciação. A capacidade de compreender o significado pretendido de outro orador é chamada competência pragmática. A consciência pragmática é considerada como um dos aspectos mais desafiantes da aprendizagem de línguas, e, embora possa ser ensinada, muitas vezes vem apenas através da experiência.

    br>

    Conteúdo

    • 1 Ambigüidade estrutural
    • 2 Etimologia
    • 3 Origens
    • 4 Áreas de interesse
    • 5 Usos referenciais da língua
    • 6 Usos não referenciais da língua
      • 6.1 Índice “puro” de Silverstein
      • 6.2 O performativo
      • 6.3 As seis funções da linguagem de Jakobson

  • 7 Campos relacionados
  • 8 Pragmática em filosofia
  • 9 Trabalhos significativos
  • 10 Ver também
  • 11 Notas
  • 12 Referências
  • 13 Ligações externas
  • h2> Ambigüidade estrutural

    A frase “Tem uma luz verde” é ambígua. Sem conhecer o contexto, a identidade do orador, e a sua intenção, não é possível inferir o significado com confiança. Por exemplo:

    • Pode significar que tem uma luz verde ambiente.
    • Or que tem uma luz verde enquanto conduz o seu carro.
    • Or que pode indicar que pode avançar com o projecto.
    • Or que o seu corpo tem um brilho verde.
    • Or que tenha em sua posse uma lâmpada verde.

    p>Similiarmente, a frase “Sherlock viu o homem com binóculos” poderia significar que Sherlock observou o homem usando binóculos; ou poderia significar que Sherlock observou um homem que tinha binóculos. O significado da frase depende de uma compreensão do contexto e da intenção do orador. Tal como definido na linguística, uma frase é uma entidade abstracta – uma cadeia de palavras divorciada do contexto não linguístico – em oposição a uma enunciação, que é um exemplo concreto de um acto de fala num contexto específico. Quanto mais os sujeitos mais conscientes se agarrarem a palavras, expressões idiomáticas, frases e tópicos comuns, mais facilmente outros podem supor o seu significado; quanto mais se afastarem de expressões e tópicos comuns, mais amplas serão as variações nas interpretações. Isto sugere que as frases não têm um significado intrínseco; não há um significado associado a uma frase ou palavra, elas só podem representar simbolicamente uma ideia. O gato sentado no tapete é uma frase em inglês; se disser à sua irmã na terça-feira à tarde: “O gato sentou-se no tapete”, isto é um exemplo de enunciado. Assim, não existe uma frase, termo, expressão ou palavra que represente simbolicamente um único significado verdadeiro; é subespecificado (que gato se sentou em que tapete?) e potencialmente ambíguo. O significado de uma enunciação, por outro lado, é inferido com base no conhecimento linguístico e no conhecimento do contexto não linguístico da enunciação (que pode ou não ser suficiente para resolver a ambiguidade). Na matemática com o paradoxo de Berry surgiu uma ambiguidade sistemática com a palavra “definível”. A ambiguidade com as palavras mostra que o poder descritivo de qualquer linguagem humana é limitado.

    Etimologia

    A palavra pragmática deriva via latim pragmaticus do grego πραγματικός (pragmatikos), que significa entre outros “apto para a acção”, que vem de πρᾶγμα (pragma), “deed, act”, e que vem de πράσσω (prassō), “passar por cima, praticar, alcançar”.

    Origens

    Question book-new.svg Esta secção não referenciada requer citações para assegurar a verificabilidade.

    Pragmatics foi uma reacção à linguística estruturalista tal como delineada por Ferdinand de Saussure. Em muitos casos, expandiu a sua ideia de que a linguagem tem uma estrutura analisável, composta de partes que podem ser definidas em relação a outras. A Pragmática começou por se dedicar apenas ao estudo sincrónico, em oposição a examinar o desenvolvimento histórico da língua. No entanto, rejeitou a noção de que todo o significado provém de sinais existentes puramente no espaço abstracto da língua. Entretanto, a pragmática histórica também surgiu.

    Áreas de interesse

    Question book-new.svg Esta secção não referenciada requer citações para assegurar a verificabilidade.
      O estudo do significado do orador, não se concentrando na forma fonética ou gramatical de uma expressão, mas sim nas intenções e crenças do orador.

    >ul>>

  • O estudo do significado no contexto, e a influência que um determinado contexto pode ter na mensagem. Exige o conhecimento das identidades do orador, e do lugar e do tempo da enunciação.
  • >ul> O estudo das implicaturas, ou seja, as coisas que são comunicadas, mesmo que não sejam explicitamente expressas.

      li> O estudo da distância relativa, tanto social como física, entre falantes, a fim de compreender o que determina a escolha do que é dito e o que não é dito.

    >ul>>li> O estudo do que não é dito, ao contrário do significado pretendido, ou seja, o que não é dito e o que não é intencional, ou o que não é intencional.

      li> Estrutura de Informação, o estudo de como as afirmações são marcadas de modo a gerir eficazmente o terreno comum das entidades referidas entre orador e ouvinte/ul>>>ul>>li> Pragmática Formal, o estudo dos aspectos de significado e utilização, para os quais o contexto de utilização é um factor importante, através da utilização dos métodos e objectivos da semântica formal.

    Usos referenciais da linguagem

    Question book-new.svgQuestion book-new.svg Esta secção não referenciada requer citações para assegurar a verificabilidade.

    Quando falamos dos usos referenciais da linguagem, estamos a falar de como usamos os sinais para nos referirmos a certos itens. Abaixo encontra-se uma explicação, primeiro, do que é um sinal, segundo, como os significados são alcançados através do seu uso.
    Um sinal é a ligação ou relação entre um significado e o significante, tal como definido por Saussure e Huguenin. O significante é alguma entidade ou conceito no mundo. O significante representa o significificado. Um exemplo seria:
    Significado: o conceito cat
    Significador: a palavra “cat”
    A relação entre os dois dá o significado do sinal. Esta relação pode ser melhor explicada considerando o que queremos dizer com “significado”. Na pragmática, há dois tipos diferentes de significado a considerar: significado semântico-referencial e significado índice. O significado semântico-referencial refere-se ao aspecto do significado, que descreve acontecimentos no mundo que são independentes da circunstância em que são proferidos. Um exemplo seriam propostas como:
    “O Pai Natal come bolachas”

    Neste caso, a proposta está a descrever que o Pai Natal come bolachas. O significado desta proposição não depende de o Pai Natal estar ou não a comer bolachas no momento em que as mesmas são pronunciadas. O Pai Natal poderia estar a comer bolachas em qualquer altura e o significado da proposta permaneceria o mesmo. O significado é simplesmente descrever algo que é o caso no mundo. Em contraste, a proposição, “o Pai Natal está a comer um biscoito neste momento”, descreve eventos que estão a acontecer no momento em que a proposição é proferida.

    p>O significado semântico-referencial também está presente em afirmações meta-semanticas tais como:
    Tigre: omnívoro, um mamífero
    Se alguém dissesse que um tigre é um animal omnívoro num contexto e um mamífero noutro, a definição de tigre continuaria a ser a mesma. O significado do signo tigre está a descrever algum animal no mundo, o que não muda em nenhuma das circunstâncias.

    O significado indexo, por outro lado, depende do contexto do enunciado e tem regras de utilização. Por regras de utilização, entende-se que os índices podem dizer quando são utilizados, mas não o que realmente significam.
    Exemplo: “I”

    a que “I” se refere depende do contexto e da pessoa que o pronuncia.

    Como mencionado, estes significados são trazidos através da relação entre o significante e o significante. Uma forma de definir a relação é colocando os signos em duas categorias: signos referenciais indexados, também chamados “shifters”, e signos puramente indexados.
    Signos referenciais indexados são signos em que o significado muda dependendo do contexto, daí o apelido “shifters”. “I” seria considerado um sinal índice referencial. O aspecto referencial do seu significado seria “1ª pessoa singular” enquanto que o aspecto índice seria a pessoa que está a falar (ver acima as definições de significado semântico-referencial e índice). Outro exemplo seria:

    “Isto”
    Referencial: contagem singular
    Indexical: Close by

    Um sinal índice puro não contribui em nada para o significado das proposições. É um exemplo de “”uso não referencial da linguagem””
    Uma segunda forma de definir a relação significante e significante é a Tricotomia Peirceana de C.S. Peircean. Os componentes da triquotomia são os seguintes:

    1. Ícone: o significificado assemelha-se ao significante (significificado: o ruído de ladrar de um cão, significante: bow-wow)
    2. Índice: o significado e o significante estão ligados por proximidade ou o significante só tem significado porque aponta para o significificado
    3. Símbolo: o significado e o significante estão ligados arbitrariamente (significificado: um gato, significante: a palavra gato)
    estas relações permitem-nos usar sinais para transmitir o que queremos dizer. Se duas pessoas estivessem numa sala e uma delas quisesse referir-se a uma característica de uma cadeira na sala, diria “esta cadeira tem quatro pernas” em vez de “uma cadeira tem quatro pernas”. A primeira baseia-se no contexto (significado índice e referencial), referindo-se a uma cadeira especificamente na sala nesse momento, enquanto a segunda é independente do contexto (significado semântico-referencial), significando a cadeira conceptual.

    Usos não-referenciais da linguagem

    Índices “puros” de Silverstein

    Michael Silverstein argumentou que os índices “não-referenciais” ou “puros” não contribuem para o significado referencial de uma enunciação, mas sim “sinalizam algum valor particular de uma ou mais variáveis contextuais”. Embora os índices não-referenciais sejam desprovidos de significado semântico-referencial, codificam o significado “pragmático”.

    Os tipos de contextos que tais índices podem marcar são variados. Exemplos incluem:

    • Os índices de sexo são afixos ou inflexões que indexam o sexo do orador, por exemplo, as formas verbais dos oradores Koasati do sexo feminino tomam o sufixo “-s”.
    • Os índices de deferência são palavras que assinalam diferenças sociais (geralmente relacionadas com o estatuto ou idade) entre o orador e o destinatário. O exemplo mais comum de um índice de deferência é a forma V numa língua com distinção T-V, o fenómeno generalizado em que existem múltiplos pronomes de segunda pessoa que correspondem ao estatuto relativo do destinatário ou à familiaridade com o orador. Os honoríficos são outra forma comum de índice de deferência e demonstram o respeito ou a estima do falante pelo destinatário através de formas especiais de endereço e/ou pronomes de primeira pessoa que se auto-compreendem.
    • Um índice tabu Affinal é um exemplo de discurso evasivo e produz e reforça a distância sociológica, como se vê na língua aborígene Dyirbal da Austrália. Nesta língua e em algumas outras, existe um tabu social contra o uso do léxico quotidiano na presença de certos parentes (sogra, filho da sogra, filho da tia paterna, e filho do tio materno). Se algum desses familiares estiver presente, um falante de Dyirbal tem de mudar para um léxico completamente separado reservado para esse fim.

    Em todos estes casos, o significado semântico-referencial das afirmações mantém-se inalterado em relação ao das outras formas possíveis (mas muitas vezes inadmissíveis), mas o significado pragmático é vastamente diferente.

    O performativo

    Artigos principais: A expressão performativa, teoria do acto de fala

    J.L. Austin introduziu o conceito de performativa, contrastado na sua escrita com expressões “constativas” (isto é, descritivas). De acordo com a formulação original de Austin, um performativo é um tipo de enunciado caracterizado por duas características distintivas:

    • não é verdade-avaliação (ou seja, não é verdadeiro nem falso)
    • Its uttering executa uma acção em vez de simplesmente descrever um

    No entanto, um enunciado performativo deve também estar em conformidade com um conjunto de condições de felicidade.

    Exemplos:

    • “Declaro-vos marido e mulher”
    • “Aceito as vossas desculpas”
    • “Esta reunião está agora suspensa”

    As seis funções de linguagem de Jakobson

    Artigo principal: As funções da linguagem de Jakobson

    Os seis factores de uma comunicação verbal eficaz. A cada um deles corresponde uma função de comunicação (não exibida nesta imagem).

    Roman Jakobson, expandindo o trabalho de Karl Bühler, descreveu seis “factores constitutivos” de um evento da fala, cada um dos quais representa o privilégio de uma função correspondente, e apenas um deles é o referencial (que corresponde ao contexto do evento da fala). Os seis factores constitutivos e as suas funções correspondentes estão esquematizados abaixo.

    Os seis factores constitutivos de um evento da fala

    Mensagem de contexto

    Endereçador———————Addressee

    Código de contacto

    br>As seis funções da linguagem

    Poética Referencial

    Emotivo———————–Conative

    Emotivo———————–ConativeEmotivo———————–Conlective

    • A Função Referencial corresponde ao factor de Contexto e descreve uma situação, objecto ou estado mental. As afirmações descritivas da função referencial podem consistir tanto em descrições definitivas como em palavras deícitas, por exemplo: “As folhas de Outono caíram todas agora.”
    • li>A função Expressiva (alternativamente chamada “emotiva” ou “afectiva”) relaciona-se com o Addresser e é melhor exemplificada por interjeições e outras alterações sonoras que não alteram o significado denotativo de uma expressão, mas acrescentam informação sobre o estado interno do Addresser (orador), e.g. “Uau, que visão!”li>A Função Conativa envolve directamente o Destinatário e é melhor ilustrada por vocativos e imperativos, por exemplo “Tom! Vem para dentro e come!”li>A Função Poética concentra-se “na mensagem para seu próprio bem” e é a função operativa tanto na poesia como nos slogans.li>A Função Fática é a linguagem para o bem da interacção e está portanto associada ao factor Contacto. A Função Fática pode ser observada em saudações e discussões casuais sobre o tempo, particularmente com estranhos.

    • A Função Metalinguística (alternativamente chamada “metalinguística” ou “reflexiva”) é o uso da linguagem (o que Jakobson chama “Código”) para discutir ou descrever-se a si próprio.

    Campos relacionados

    Existe uma considerável sobreposição entre pragmática e sociolinguística, uma vez que ambas partilham um interesse no significado linguístico conforme determinado pelo uso numa comunidade de fala. No entanto, os sociolinguistas tendem a estar mais interessados em variações de linguagem dentro de tais comunidades.

    Pragmática ajuda os antropólogos a relacionar elementos da linguagem com fenómenos sociais mais amplos; penetra assim no campo da antropologia linguística. Porque a pragmática descreve geralmente as forças em jogo para uma dada expressão, inclui o estudo do poder, género, raça, identidade, e as suas interacções com actos individuais da fala. Por exemplo, o estudo da mudança de código está directamente relacionado com a pragmática, uma vez que uma mudança no código afecta uma mudança na força pragmática.

    De acordo com Charles W. Morris, a pragmática tenta compreender a relação entre os signos e os seus utilizadores, enquanto a semântica tende a concentrar-se nos objectos ou ideias reais a que uma palavra se refere, e a sintaxe (ou “sintáctica”) examina as relações entre signos ou símbolos. A semântica é o significado literal de uma ideia, enquanto que a pragmática é o significado implícito da ideia dada.

    Teoria do Acto Falativo, pioneiro por J.L. Austin e desenvolvido por John Searle, centra-se em torno da ideia do performativo, um tipo de enunciado que realiza a própria acção que descreve. O exame da Teoria do Acto Final da Teoria dos Actos Ilocucionários tem muitos dos mesmos objectivos que a pragmática, tal como acima descrito.

    Pragmática em filosofia

    Pragmática (mais especificamente, a noção de performatividade da Teoria do Acto Final) está subjacente à teoria da performatividade do género de Judith Butler. Em Gender Trouble, ela afirma que género e sexo não são categorias naturais, mas papéis socialmente construídos produzidos pela “acção reiterativa”

    Em Excitable Speech ela estende a sua teoria da performatividade ao discurso do ódio e à censura, argumentando que a censura fortalece necessariamente qualquer discurso que tente suprimir e, portanto, uma vez que o Estado tem o poder exclusivo de definir legalmente o discurso do ódio, é o Estado que torna o discurso do ódio performativo.

    Jaques Derrida observou que algum trabalho feito sob Pragmática alinhou bem com o programa que delineou no seu livro de Grammatologia.

    Émile Benveniste argumentou que os pronomes “eu” e “tu” são fundamentalmente distintos de outros pronomes devido ao seu papel na criação do sujeito.

    Gilles Deleuze e Félix Guattari discutem a pragmática linguística no quarto capítulo de A Thousand Plateaus (“20 de Novembro de 1923–Postulados de Linguística”). Tiram três conclusões de Austin: (1) Um enunciado performativo não comunica informação sobre um acto de segunda mão é o acto; (2) Cada aspecto da linguagem (“semântica, sintáctica, ou mesmo fonemática”) interage funcionalmente com a pragmática; (3) Não há distinção entre linguagem e discurso. Esta última conclusão tenta refutar a divisão de Saussure entre linguagem e liberdade condicional e a distinção de Chomsky entre estrutura de superfície e estrutura profunda simultaneamente.

    Trabalhos significativos

    • J. L. Austin’s How To Do Things With Words
    • Paul Grice’s cooperative principle and conversational maxims
    • Brown & Levinson’s Politeness Theory
    • Geoffrey As máximas de educação de Sanguessuga
    • li>Sentidos Presuntivos de Levinson li> A pragmática universal de Jürgen Habermas

    • Teoria da relevância de Dan Sperber e Deirdre Wilson
    • Dallin D. A Ambiguidade Estrutural de Oaks em inglês: Um Inventário Gramático Aplicado

    Ver também

    • Pragmática Formal
    • Etailment
    • Indexicalidade
    • Anáfora
    • Deixis
    • Origo
    • Implicatura
    • Razão prática
    • Presuposição
    • Acção verbal
    • Relação de sinais
    • Semiótica
    • Semântica
    • Charles Sanders Peirce (e ver também Charles Sanders Peirce bibliografia)
    • li>Paul Griceli>Gricean maximsli>William Jamesli>Exegesisli>Sitz im Leben

    Notas

    1. ^ a b Mey, Jacob L. (1993) Pragmática: Uma Introdução. Oxford: Blackwell (2ª ed. 2001).
    2. ^ Shaozhong, Liu. “O que é a pragmática?”. http://www.gxnu.edu.cn/Personal/szliu/definition.html. Recuperado a 18 de Março de 2009.
    3. ^ http://ocw.mit.edu/OcwWeb/Linguistics-and-Philosophy/24-903Spring-2005/CourseHome/
    4. ^ πραγματικός, Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon, on Perseus
    5. ^ πρᾶγμα, Henry George Liddell, Robert Scott, Um Léxico Grego-Inglês, em Perseus
    6. ^ πράσσω, Henry George Liddell, Robert Scott, Um Léxico Grego-Inglês, em Perseus
    7. ^ Silverstein 1976
    8. ^ Middleton, Richard (1990/2002). Studying Popular Music, p. 241. Filadélfia: Open University Press. ISBN 0-335-15275-9.
    9. ^ a b Duranti 1997
    10. ^ Deleuze, Gilles e Félix Guattari (1987) . Mil planaltos. Imprensa da Universidade de Minnesota.
    • Austin, J. L. (1962) How to Do Things With Words. Oxford University Press.
    • Brown, Penelope, e Stephen C. Levinson. (1978) Politeness: Alguns Universals in Language Usage (Alguns Universals in Language Usage). Imprensa da Universidade de Cambridge.
    • Carston, Robyn (2002) Thoughts and Utterances: A Pragmática da Comunicação Explícita. Oxford: Blackwell.
    • Clark, Herbert H. (1996) “Using Language”. Cambridge University Press.
    • Cole, Peter, ed… (1978) Pragmatics. (Syntax and Semantics, 9). Nova Iorque: Academic Press.
    • Dijk, Teun A. van. (1977) Texto e Contexto. Explorations in the Semantics and Pragmatics of Discourse. Londres: Longman.
    • Grice, H. Paul. (1989) Studies in the Way of Words. Cambridge (MA): Harvard University Press.
    • Laurence R. Horn e Gregory Ward. (2005) The Handbook of Pragmatics. Blackwell.
    • Leech, Geoffrey N. (1983) Principles of Pragmatics. Londres: Longman.
    • Levinson, Stephen C. (1983) Pragmatics. Cambridge University Press.
    • Levinson, Stephen C. (2000). Significados presuntivos: A teoria da implicação conversacional generalizada. MIT Press.
    • Lin, G. H. C., & Perkins, L. (2005). Discurso transcultural de dar e aceitar presentes. International Journal of Communication, 16,1-2, 103-12 (ERIC Collections in ED 503685 http://www.eric.ed.gov/PDFS/ED503685.pdf)
    • Lin, G. H. C. (2007). O significado do pragmatismo. Mingdao Journal, Vol, 3, 91-102 ERIC Collection in ED503682<http://www.eric.ed.gov/PDFS/ED503685.pdf>
    • Lin. G. H. C., Su, S. C. F., & Ho, M. M. H. (2009). Pragmática e competências comunicativas. Actas de the景文科技大學應用英語系2009研討會, 54-60 (Colecções ERIC em ED514939<http://www.eric.ed.gov/PDFS/ED514939.pdf>)
    • Mey, Jacob L. (1993) Pragmática: Uma Introdução. Oxford: Blackwell (2ª ed. 2001).
    • li>Kepa Korta e John Perry. (2006) Pragmática. The Stanford Encyclopedia of Philosophy

    • Potts, Christopher. (2005) The Logic of Conventional Implicatures. Estudos de Oxford em Linguística Teórica. Oxford: Oxford University Press.
    • Sperber, Dan e Wilson, Deirdre. (2005) Pragmatics. Em F. Jackson e M. Smith (eds.) Oxford Handbook of Contemporary Philosophy. OUP, Oxford, 468-501. (Também disponível aqui.)
    • li>Thomas, Jenny (1995) Meaning in Interaction: An Introduction to Pragmatics (Introdução à Pragmática). Longman.

    • Verschueren, Jef. (1999) Understanding Pragmatics (Compreender a Pragmática). Londres, Nova Iorque: Arnold Publishers.
    • Verschueren, Jef, Jan-Ola Östman, Jan Blommaert, eds. (1995) Handbook of Pragmatics. Amesterdão: Benjamins.
    • li>Watzlawick, Paul, Janet Helmick Beavin e Don D. Jackson (1967) Pragmatics of Human Communication: A Study of Interactional Patterns, Pathologies, and Paradoxes (Um Estudo de Padrões Interaccionais, Patologias e Paradoxos). Nova Iorque: Norton.

    • Wierzbicka, Anna (1991) Pragmática transcultural. A Semântica da Interacção Humana. Berlim, Nova Iorque: Mouton de Gruyter.
    • li>Yule, George (1996) Pragmatics (Oxford Introductions to Language Study). Oxford University Press.

    • Silverstein, Michael. 1976. “Shifters, Linguistic Categories, and Cultural Description”, em Meaning and Anthropology, Basso and Selby, eds. Nova Iorque: Harper & Row
    • Wardhaugh, Ronald. (2006). “An Introduction to Sociolinguistics” (Uma Introdução à Sociolinguística). Blackwell.
    • Duranti, Alessandro. (1997). “Linguistic Anthropology”. Cambridge University Press.
    • Carbaugh, Donal. (1990). “Comunicação Cultural e Contacto Intercultural”. LEA.
    • Mira Ariel (2010). Definindo a Pragmática. Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-73203-1.
    • Journal of Pragmatics, An Interdisciplinary Journal of Language Studies
    • Liu, Shaozhong, “What is Pragmatics?”, Eprint
    • Dan Sperber discute Pragmatics from Philosophy Talk Radio Program
    • wiki project in comparative pragmatics: European Communicative Strategies (ECSTRA) (dirigido por Joachim Grzega)
    • /ul>>

      >br>>

      >br>>

      >>div>>

      >>>/td>>>br>>

      >>br>>>>>/td>>>>

      >>br>>/td>>>/td>>/tr>

      br>
      Philosophers >>>>>/td>>>br>>> Teorias Conceitos

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *