Dia 5 versus Dia 6 transferências blastocisto: uma revisão sistemática e meta-análise de resultados clínicos

Questão de estudo: Existe alguma diferença na gravidez clínica e nas taxas de nascimento vivo (LBRs) entre blastocistos que se desenvolvem no dia 5 (D5) e blastocistos que se desenvolvem no dia 6 (D6) após transferências frescas e congeladas?

Resposta resumida: As transferências de blastocistos D5 (BTs) apresentam uma gravidez clínica e LBRs mais elevadas do que D6 tanto em transferências frescas como congeladas.

O que já é conhecido: O BT é cada vez mais popular nos centros de tecnologia reprodutiva assistida (ART) actualmente. Segundo o nosso conhecimento, nenhuma meta-análise se centrou em resultados clínicos tanto em BT fresca como em BT congelada. Relativamente aos blastocistos congelados, uma meta-análise em 2010 não encontrou diferença significativa nos resultados da gravidez entre D5 e D6 BT. Desde então, as práticas ART têm evoluído particularmente com o amplo uso de vitrificação, e mais artigos comparando os ciclos de BT D5 e D6 foram publicados e descreveram resultados contraditórios.

Concepção do estudo, tamanho, duração: Revisão sistemática e meta-análise de estudos controlados publicados. Foram realizadas pesquisas de 2005 a Fevereiro de 2018 na MEDLINE e Cochrane Library e de 2005 a Maio de 2017 na EMBASE, Eudract e clinicaltrials.gov, utilizando os seguintes termos de pesquisa: blastocisto, Dia 5, Dia 6, gravidez, implantação, nascimento vivo e transferência de embriões (ET).

Participantes/materiais, cenário, métodos: Um total de 47 artigos de texto integral foram pré-seleccionados entre 808 referências, com base no título e resumo e avaliados utilizando a Escala de Avaliação da Qualidade de Newcastle-Ottowa. A selecção do estudo e a extracção de dados foram realizadas por dois revisores independentes de acordo com os métodos da Cochrane. Foi realizada uma meta-análise de efeito aleatório em todos os dados (análise global) seguida de uma análise de subgrupo (fresco, vitrificado/aquecido, lentamente congelado/descongelado).

Principais resultados e o papel do acaso: Os dados de 29 artigos relevantes foram extraídos e integrados na meta-análise. A meta-análise dos 23 estudos que relataram como resultado a taxa de gravidez clínica (RCP), incluindo ciclos de ET frescos e/ou congelados, mostrou uma RCP significativamente mais elevada após D5 ET em comparação com D6 ET (rácio de risco (RR) = 1,27, 95% CI: 1,15-1,39, P < 0,001). Para CPR, os RRs do subgrupo calculado foram 2,38 (95% CI: 1,74-3,24, P < 0,001) para BT fresca; 1,27 (95% CI: 1,16-1.39, P < 0,001) para BT vitrificada/aquecida; e 1,15 (95% CI: 0,93-1,41, P = 0,20) para BT lenta congelada/descongelada. LBR foi também significativamente mais elevado após D5 BT (RR global = 1,50 (95% CI: 1,32-1,69), P < 0,001). Os RRs calculados pelo LBR para subgrupos foram 1,74 (95% CI: 1,37-2,20, P < 0,001) para BT fresca; 1,38 (95% CI: 1.23-1,56, P < 0,001) para BT vitrificada/aquecida; e 1,44 (95% CI: 0,70-2,96, P = 0,32) para BT lenta congelada/descongelada. A análise de sensibilidade levou a resultados e conclusões semelhantes: CPR e LBR foram significativamente mais elevados após D5, em comparação com D6 BT.

Limitações, razões para cautela: A validade dos resultados da meta-análise depende principalmente da qualidade e do número dos estudos publicados disponíveis. De facto, esta meta-análise não incluiu nenhum ensaio controlado aleatório (RCT). Os subgrupos lentamente congelados/descongelados mostraram uma heterogeneidade substancial.

Implicações mais vastas dos resultados: Em relação aos resultados desta meta-análise original, os profissionais de ART deveriam de preferência transferir blastocistos D5 em vez de blastocistos D6, tanto em ciclos frescos como congelados. São necessários mais RCTs para abordar a questão de saber se os embriões D6 devem ser transferidos num ciclo fresco ou num ciclo congelado.

Financiamento do estudo/interesse(s) em competição: Este trabalho foi patrocinado por uma subvenção sem restrições de GEDEON RICHTER France. Os autores não têm interesses concorrentes a declarar.

Número de inscrição: CRD42018080151.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *