Epidemiologia das infecções bacterianas durante as fases de consolidação e intensificação retardada em pacientes adultos com leucemia linfoblástica aguda (TODOS): Um estudo do protocolo GRAALL-2005

Sumário: Investigamos retrospectivamente o perfil das infecções bacterianas (IB) que ocorrem durante as fases de consolidação e intensificação retardada (RI) do protocolo GRAALL-2005, um estudo que inclui pacientes adultos com não-Ph1 ALL. Os BIs foram definidos pela identificação microbiológica das bactérias nos doentes durante o tratamento. 126 BI foram analisados: 37 (29%) durante a primeira consolidação, 22 (17%) durante a segunda consolidação, 44 (34%) durante o RI e 29 (23%) durante a terceira consolidação. O compartimento mais colonizado por bactérias foi o sangue e foram descritas 68 (54%) infecções por cateter venoso central (CVC). As bactérias Gram-positivas (GPB) foram mais frequentemente descritas do que as bactérias Gram-negativas (GN) com uma maioria de estafilococos coagulopositivos negativos. 71 (42%) BGN foram descritos com uma maioria de enterobactérias e Pseudomonas aeruginosa. Praticamente nenhuma profilaxia antibiótica foi prescrita; a antibioticoterapia empírica do tipo escalada com o uso de um Beta-lactam como mono-terapia foi utilizada para 91% das IBs. 14 (8%) dos germes identificados eram multi-resistentes. A maioria das IB progrediu favoravelmente, resultando num atraso no tratamento seguinte em 75% dos casos, mas sem qualquer impacto no resultado do paciente. A epidemiologia do BI em TODOS os pacientes tratados parece ser semelhante à descrita em AML e/ou aloenxertos. Ao seguir as recomendações da Conferência Europeia sobre Infecções na Leucemia (ECIL), a maioria das IB evoluiu favoravelmente. A antibioticoterapia empírica na monoterapia e a ausência de profilaxia antibiótica parecem ser estratégias indispensáveis para combater o surgimento de resistência bacteriana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *