Fotos de caça

Vigar por uma sucata, encontro, reunido, uma espingarda, uma licença de caça antiga, um manual de caça, uma pilha de L’Eleveur, esta revista semanal de caça dos anos 30 e uma fotografia de caça: uma fotografia que reúne jovens e velhos em torno da captura colectiva.

Caça, uma história familiar? Como é transmitido? Como é que se diz hoje? Aqui está um mergulho no universo da caça, uma arte por direito próprio, que Georges Pompidou incluiu entre as actividades praticadas durante o mandato presidencial.

Que territórios investiram na caça, neste património imaterial? Como é que estabeleceu os seus limites simbólicos, legais, sociais, geográficos ou físicos? Como estão estes territórios de caça a evoluir actualmente? E a sua transmissão, a sua perpetuação, a sua delimitação?

No LSD, tentamos traçar as fronteiras destes territórios, marcar o seu contorno e sentir os movimentos que actuam nestes locais.

Cada episódio apresenta uma unidade de tempo e lugar. Cada episódio propõe uma pintura com a caça como fio condutor. A série questiona, por sua vez, o património e a transmissão dentro de uma escola secundária agrícola, a gestão florestal privada, as pragas e a imitação do veado que se segue à tradição da Europa Oriental.

Aqui estão quatro pinturas (de caça) que questionam e investem um lugar simbólico: a caça e a sua relação com o mundo selvagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *