Missão Secular Francesa

Elizabeth Ross teve uma aventura maravilhosa. Tocada por um conto de Emile Zola, ela sentiu a necessidade de desenvolver esta história, de dar voz aos protagonistas invulgares deste conto: este é o ponto de partida do romance adolescente Belle Epoque. Através do retrato de Maude Pichon na Paris do século I, testemunhamos a vida de uma agência bastante especial. Esta agência é especializada na contratação de “repoussoirs”, jovens raparigas com um físico pouco atraente que são responsáveis por realçar a beleza de jovens aristocratas. Um tema moderno que faz todo o sentido numa cidade como Los Angeles.Visita de Elizabeth Ross, Lilaschool, Los Angeles, Abril 2017'Elizabeth Ross, Lilaschool, Los Angeles, avril 2017br>A próxima parte desta aventura é a partilha. Pois um livro não é nada sem os seus leitores. Como parte da Festa Literária da Escola Secundária Internacional de Los Angeles, Elizabeth Ross veio ao encontro dos alunos da 8ª classe para partilhar com eles a sua paixão pela escrita, a sua vida quotidiana como escritora. Um diálogo, mas também um momento de liberdade, de criação, pequenos exercícios de escrita flash, apenas para dar o gosto da escrita, para colocar em palavras as imagens que se formam na mente.
“Não somos todos escritores sem dúvida, mas somos todos contadores de histórias. Contamos as nossas vidas todos os dias aos nossos amigos e familiares. “Os estudantes são apanhados no jogo, oferecendo-nos histórias instantâneas que são invulgares (um coelho assassino da Coreia do Norte), vertiginosas (os pensamentos filosóficos de uma gárgula de Notre Dame), e até trágicas (uma pequena rapariga perdida na multidão). Os conselhos do escritor ecoam as nossas exigências como professores: pesquisar, encontrar fontes credíveis de inspiração, escrever, rever, corrigir. Um momento de intercâmbio e descoberta também para os professores, que descobrem os seus alunos a uma luz diferente, tomando a sua coragem em ambas as mãos para nos lerem os seus textos e partilharem a sua criatividade. Alguns momentos de fuga entre literatura e escrita para o maior prazer de todos.

por Marjorie Decriem
professeur documentaliste

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *