O Contrato de Comissão


Excertos

Por vezes o contrato de comissão é celebrado para uma série de operações, mas também aqui a chegada do termo põe fim ao contrato. Além disso, o contrato de comissão é um contrato pessoal, pelo que qualquer acontecimento que afecte a pessoa ou capacidade do comitente ou do comissionário constituirá uma causa de rescisão do contrato. As partes podem prever a solução oposta. Por exemplo, a morte de uma pessoa resultará na rescisão do contrato. Nos contratos de duração indeterminada, a rescisão do contrato resultará de uma rescisão unilateral e o agente de comissão, bem como o agente podem ser revogados a qualquer momento, o contrato de comissão não é analisado como um mandato de interesse comum e, portanto, o comitente não tem de justificar a rescisão do contrato e não tem de compensar o agente de comissão devido a esta rescisão.

p> Esta definição torna possível distinguir comissão e agência. O comissário, tal como o agente age em nome de outra pessoa, a diferença é que o comissário age em seu próprio nome enquanto o agente age em nome do comitente. Assim, na agência há transparência do agente enquanto que o contrato de comissão é o do comissário do contrato. O comissionista é um comerciante se realizar os seus actos de comissão numa base regular. Actua normalmente como intermediário entre um vendedor e um comprador.

p>Há hipóteses em que o contrato terá previsto que a comissão será de montante fixo e global, incluindo a remuneração e as despesas incorridas, admite-se que o agente da comissão tem de suportar o ónus das despesas incorridas. As obrigações das partes em relação a terceiros A representação não é perfeita, uma vez que o agente da comissão está pessoal e, em princípio, sozinho comprometido em relação a terceiros. Este princípio de representação imperfeita significa que o agente da comissão não indicou que está a agir em nome do comitente. Como o comitente não é parte no contrato com terceiros, não pode exigir a sua execução, mas nada pode ser detido contra ele. Tanto o mandante como os terceiros podem tomar medidas contra o agente da comissão.

Ao contrário do agente que o comissário contratará em seu próprio nome, isto tem como consequência que o comissário não pode revelar a identidade do comitente e se alguma vez lhe for permitido revelar esta identidade, não só contratará pela conta e em nome do agente. A qualificação de um contrato de agência será imposta. A jurisprudência é vaga, considera que uma substituição é possível, mas o comitente deve consentir nessa substituição. Em qualquer caso, o agente da comissão é responsável perante o comitente pela escolha do terceiro que executa o contrato no seu lugar e pela transmissão das instruções do comitente. O contrato de comissão é um contrato de confiança e esta confiança implica que o agente de comissão não pode actuar como contra-parte.

p>As obrigações do comissionista Ele deve executar a missão confiada. Por outras palavras, trata-se de tratar da transacção para a qual o comitente o investiu com poderes. E o código comercial, artigo L132-1 refere-se às disposições do Código Civil para a determinação das obrigações do comissário. O comissionário é um comerciante e é um intermediário profissional, daí decorre que a avaliação da responsabilidade deste intermediário em caso de incumprimento ou mau desempenho será operada de forma mais severa do que a de um agente de direito comum, mesmo que ele seja um empregado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *