Os seus pesadelos sobre a pandemia reflectem um “trauma colectivo”

“Tenho mais sonhos neste momento, e até muito mais, porque normalmente nunca me lembro deles”, confidenciou um leitor durante o primeiro encerramento. Esta intensificação dos sonhos durante este período muito particular foi traduzida em muitos dos testemunhos por uma maior quantidade de sonhos, sonhos diferentes dos habituais, ou muito frequentemente por pesadelos mais angustiantes.

Acontece que esta ligação entre a pandemia e os sonhos não é negligenciada pela investigação científica em psicologia. Uma equipa brasileira publicou em 30 de Novembro de 2020 os resultados da sua investigação, com base em 239 contas de sonho recolhidas em Março/Abril de 2020. As contas apresentadas durante a pandemia foram comparadas com relatórios mais antigos apresentados em 2019 noutro estudo, com o objectivo de identificar diferenças estatísticas. Os resultados “apoiam a hipótese de que os sonhos pandémicos reflectem sofrimento mental, medo de contágio, e mudanças significativas nas rotinas diárias que têm impacto na ligação social”, escrevem os investigadores.

Este estudo utiliza a técnica da palavra-chave: pede-se às pessoas no estudo que resumam os seus sonhos em relatos escritos. Usando ferramentas de análise semântica, os cientistas podem então escolher as recorrências nos sonhos. Neste caso, observaram que as noções de tristeza e raiva aumentaram significativamente, tal como as referências à contaminação ou limpeza. Os relatos dos sonhos apresentados pelos participantes durante a pandemia foram também surpreendentemente mais longos do que os anteriores, ilustrando uma intensificação dos sonhos.

“Experiência traumática colectiva”

A análise comparativa dos relatos antes e durante a pandemia “vai além do trauma vivido separadamente pelos indivíduos”, concluem os autores, notando semelhanças entre os sonhos de muitos dos participantes. Isto reflecte “uma experiência traumática colectiva, como é frequentemente o caso em epidemias, guerras e catástrofes naturais”

Estes investigadores brasileiros de psicologia encontraram uma correlação significativa entre sofrimento mental e sonhos caracterizados por tristeza ou raiva: quanto mais isolamento social alguém sofria devido ao confinamento, por exemplo, mais estes sentimentos negativos estavam presentes nos seus relatos de sonhos. Os autores acreditam que as suas descobertas confirmam assim o impacto das questões quotidianas sobre o conteúdo dos sonhos. Entre outras funções, alguns sonhos parecem simular ameaças experimentadas enquanto acordados. Quanto mais se sentir ameaçado, num contexto de ansiedade, mais o cérebro irá gerar estas simulações para exteriorizar este sofrimento e encontrar saídas.

Este estudo é realizado numa pequena amostra de pacientes. Outra falha é que se baseia nos primeiros dias da pandemia, em Março/Abril, razão pela qual os relatos dos sonhos se referem certamente à tristeza, raiva, contaminação, mas muito pouco à morte, por exemplo. Continua assim a ser bastante parcial, mas não está, no entanto, isolada na paisagem científica. Faz parte de um continuum, com conclusões que se encontram em cada vez mais estudos (tal como outros campos de investigação, a psicologia foi apanhada de surpresa pela pandemia, pelo que levou tempo a estabelecer comparações sólidas). Os inquéritos realizados pelo YouGov e Harvard nos EUA também apontam na direcção de sonhos mais intensos, reflectindo temas angustiantes de elevado stress.

Contagion, distancing, apocalypse: “novo conteúdo de pesadelo partilhado colectivamente”

Trabalho de interesse publicado em Outubro de 2020 em Frontiers in Psychology por uma equipa finlandesa com mais de 800 participantes mostra que muitos deles tiveram mais pesadelos do que antes da crise. Estes pesadelos tiveram novamente pontos comuns entre os participantes. Os cientistas conseguiram identificar 33 grupos temáticos recorrentes, 20 dos quais foram avaliados como tendo um conteúdo angustiante.

Mais de metade destes temas estão relacionados com a pandemia: contágio do coronavírus, distanciamento físico, protecções pessoais tais como máscaras, distopia ou uma atmosfera apocalíptica. Para os autores, a pandemia gera “novos conteúdos de pesadelos partilhados colectivamente”, o que está de acordo com o primeiro estudo brasileiro. “Ficámos impressionados por observar conteúdos de sonhos repetidos entre indivíduos que reflectem a atmosfera apocalíptica da contenção relacionada com a Covid-19”, disse Anu-Katriina Pesonen, a principal autora da obra finlandesa.

  • Leia: Porque é que as teorias da conspiração visam as máscaras?
A crise de saúde do coronavírus SRA-CoV-2 virou a nossa vida diária de pernas para o ar, mas também causou uma inundação de informação e desinformação. Um contexto que pode criar stress // Fonte:

Sharing Dreams

A maior parte destes estudos psicológicos sobre os nossos sonhos durante a pandemia centram-se nos sonhos como indicadores dos níveis de stress, ou mesmo como consequência de uma forma de stress pós-traumático. Quanto mais os participantes estavam sublinhados, mais o conteúdo dos seus pesadelos estava relacionado com a pandemia. Esta descoberta parece importante uma vez que a saúde mental é uma questão nesta crise de saúde, de tal modo que abala a nossa vida diária a nível humano, de saúde e económico; de tal modo que o Ministro da Saúde Olivier Véran a mencionou durante uma recente conferência de imprensa.

Os autores do estudo brasileiro dão algumas pistas psicológicas sobre soluções a implementar, segundo eles, num quadro terapêutico ou na vida quotidiana, uma vez que observaram que quanto mais alguém está atento aos seus sonhos relacionados com a pandemia, ou mesmo fala sobre eles a outros, mais o sofrimento mental é suavizado. “Escrutinar e falar sobre sonhos pode ajudar os indivíduos a superar desafios, identificando sentimentos como ansiedade e tristeza. “

Conta de Twitter partilha sonhos relacionados com uma pandemia

A conta do Coronavirus Dream Bot Twitter tornou a sua missão retweetar quaisquer posts que mencionem um sonho relacionado com uma pandemia. Uma forma de aliviar a solidão face a estes pesadelos. Quando recolhemos testemunhos dos leitores da Numerama sobre sonhos durante o período de bloqueio, muitos deles pensaram que estavam isolados neste fenómeno de sonhos e pesadelos intensificados. Estudos científicos, inquéritos, ou mesmo algumas iniciativas como esta conta no Twitter, mostram que o fenómeno é claramente global.

P>Pense no boletim a seguir Numerama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *