Produção de tomate: um vírus preocupante identificado em Finistère

Documentos vão ser comunicados a todos os produtores franceses, com medidas profilácticas a serem implementadas. Um plano de comunicação para profissionais e o público deve informar da ausência de risco para o consumo.

1500 produtores potencialmente interessados

No início de Fevereiro, os Anses tinham advertido contra o “vírus do rugose castanho do tomateiro” (ToBRFV), um novo vírus “particularmente perigoso para as plantas que são susceptíveis a ele”. Pode ser transmitido através de sementes, plantas e frutos infectados e sobrevive durante muito tempo ao ar livre. A fruta infectada perde todas as suas qualidades gustativas, devido a uma quebra na sua maturação, alterando a qualidade da sua polpa e tornando-a imprópria para a comercialização. Numa planta doente, podem ser observados mosaicos e manchas nas folhas, manchas e necrose nas flores e descoloração com manchas amarelas ou castanhas nos frutos, que também podem ser deformadas. Observado pela primeira vez em Israel em 2014, o vírus foi encontrado em 2018 no México, Estados Unidos, Alemanha e Itália, e em 2019 nos Países Baixos, Reino Unido e Grécia. A sua propagação em França “teria consequências económicas importantes para a indústria mas também para os jardineiros amadores”, o ministério tinha advertido no domingo. De acordo com Bergé, outros vírus foram contidos no passado, graças a medidas de segurança “bastante elevadas”. “Ao contrário de outros países como a Holanda, as nossas explorações agrícolas estão muito mais dispersas pelo território, pelo que o risco de contaminação de uma exploração agrícola para outra é mais limitado”, acrescentou ele. Contudo, “se não conseguirmos conter a contaminação, o risco é que o sector do tomate possa declinar rapidamente, é um vírus particularmente virulento”, acrescentou, referindo-se a vectores como as embalagens ou paletes.

Não existe actualmente nenhum tratamento: “uma vez que o vírus esteja na cultura, não temos outra escolha senão destruir essa cultura”, recordou Bergé, segundo o qual mais de 1.500 produtores cultivam a fruta número um consumida pelos franceses com pouco mais de 13,9 kg por agregado familiar por ano. No total, 712.000 toneladas de tomate foram produzidas em 2018 em França.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *