Tribunal nega fiança para Ruby, assassino de Oswald

Dallas, Texas, 24 de Dezembro (A.F.P.). – Como era amplamente esperado, o Juiz Joe Brown negou na segunda-feira a fiança imediata ao assassino de Lee Harvey Oswald, Jack Ruby. Adiou, anunciando que o processo continuaria em 10 de Janeiro, indicando que o assunto poderia ser novamente considerado nessa altura.

Jack Ruby regressou imediatamente à sua cela, tão bem guardado como quando chegou à minúscula sala do tribunal. Os agentes da polícia formaram um escudo humano à sua volta, proporcionando protecção total, em contraste com as medidas tomadas em 24 de Novembro para transferir Lee Harvey Oswald da prisão da cidade de Dallas para a prisão do condado. Foi na cave da polícia que Oswald, rodeado apenas por dois polícias, foi baleado à queima-roupa por Jack Ruby.

A defesa, representada pelo advogado da Califórnia Melvin Belli, argumentou que o crime de Ruby não foi premeditado. O arguido foi alegadamente vítima de uma “alucinação momentânea” quando “por acaso” se encontrou na presença do assassino do Presidente Kennedy na cave da prisão.

O crime foi premeditado?

A principal testemunha de defesa, um empregado da empresa de telégrafos Western Union, que conhecia bem Ruby, testemunhou que Ruby veio aos seus balcões aos 11 anos. 21. no domingo, 24 de Novembro, para enviar por ordem de pagamento telegráfico a quantia de $25. a uma antiga dançarina do “Carrousel Club”, Lynn Bennett, conhecida como “Little Lynn”, que agora vive em Fort Worth.

Estava a regressar da Western Union, a 100 metros da prisão, que, de acordo com a defesa, Ruby entrou nas instalações, e às 11. 26. ou cinco minutos mais tarde, matou Oswald a tiro. Este testemunho parece estar em contradição com a teoria da premeditação. Tinha sido anunciado na véspera que a transferência de Oswald teria lugar “depois das 10 horas”. De acordo com a defesa, se Ruby tivesse decidido antecipadamente retirar Oswald, ele não teria arriscado estar ausente, mesmo por um momento, das instalações por onde Oswald iria passar.

Você tem 56,3% deste artigo para ler. O resto é apenas para subscritores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *