Uma mutação de um gene envolvido numa doença infecciosa fúngica, dermatofitose profunda

Desculpe, esta entrada só está disponível em francês.

Investigadores do Laboratório de Genética Humana das Doenças Infecciosas (Universidade Paris Descartes, Inserm), sob a direcção da Dra. Anne Puel e do Prof. Jean-Laurent Casanova, em estreita colaboração com equipas francesas e estrangeiras*, acabam de demonstrar o envolvimento do gene CARD9 na dermatofitose profunda. Trata-se de uma doença fúngica infecciosa que pode, em certos casos, ser fatal. Estes resultados reforçam a hipótese de que as doenças infecciosas podem ser doenças hereditárias unogenéticas da resposta imunitária. Esta grande descoberta abre a porta a novas possibilidades de diagnóstico e estratégias terapêuticas.

Este trabalho é publicado a 16 de Outubro de 2013 no The New England Journal of Medicine.

Dermatófitos são fungos ubíquos, fracamente virulentos, filamentosos que são geralmente responsáveis por infecções superficiais ligeiras da pele (herpes circinis), unhas (onicomicose), e couro cabeludo (minhoca de anel). Em algumas pessoas, as dermatófitas podem invadir as camadas profundas da pele (derme e hipoderme), disseminar para os gânglios linfáticos, e ocasionalmente para os ossos, intestino, e/ou cérebro, levando a uma doença potencialmente fatal: dermatofitose profunda.

Esta doença foi descrita pela primeira vez em 1959 e denominada “doença dermatofítica” em indivíduos saudáveis (não têm infecções graves com outros microrganismos), na sua maioria de origem norte-africana e de famílias consanguíneas e/ou famílias com vários indivíduos afectados. Estas observações sugerem fortemente que um defeito herdado de um único gene está na origem de uma resposta imunológica defeituosa contra dermatófitos. Notavelmente, estes pacientes são altamente vulneráveis a dermatófitos, sendo ao mesmo tempo resistentes a outros microrganismos ao longo da sua vida.

Os investigadores concentraram-se no gene CARD9, cuja proteína desempenha um papel importante na sinalização celular desencadeada pela activação de receptores de superfície (lectinas tipo C), que reconhecem certos componentes da parede fúngica e induzem uma resposta imunitária adaptada. Ao estudar 17 pacientes de 8 famílias consanguíneas de origem norte-africana que apresentavam dermatofitose profunda, sem qualquer factor de risco conhecido, os investigadores conseguiram demonstrar o envolvimento do gene CARD9 no desenvolvimento desta patologia. De facto, duas mutações homozigotos (Q289X e R101C) de CARD9 foram identificadas nestes pacientes. Estas mutações, transportadas por ambos os alelos, induzem uma perda da função da proteína. A segregação familiar mostra uma herança autossómica recessiva com penetração clínica completa.

“Os nossos resultados mostram sem ambiguidade que CARD9 é a causa genética da dermatofitose profunda”, explica Anne Puel. A nossa descoberta alarga o espectro das infecções fúngicas associadas à deficiência de CARD9. Também reforça a hipótese de que as doenças infecciosas podem ser doenças hereditárias unogenéticas da resposta imunitária”

Este trabalho abre novas possibilidades de diagnóstico e provavelmente terapêuticas para a doença. Permite o diagnóstico genético precoce conducente ao tratamento profilático antifúngico para limitar a evolução da doença, mas também a implementação de aconselhamento genético às famílias dos pacientes.

* em colaboração com o Departamento de Doenças Infecciosas e Tropicais, dirigido por Pr Olivier Lortholary, o Centro de Estudo das Deficiências Imunológicas dirigido por Pr Capucine Picard (Hôpital Necker Enfants malades, AP-HP, Paris), o Departamento de Imunologia dirigido por Pr Bodo Grimbacher (Royal Free Hospital & University College London, UK), o Departamento de Dermatologia do Hôpital Saint-Louis (AP-HP, Paris), os departamentos de Dermatologia e Doenças Infecciosas de Argel, Tlemcen (Argélia), Hospital Erasmus em Bruxelas, Hospital Farhat Hached em Sousse (Tunísia), acaba de ser publicado na revista NJEM.

CITA ESTE POST:

Comunicado de imprensa – Sala de imprensa InsermUma mutação genética envolvida numa doença fúngica infecciosa, dermatofitose profundaLink:https://presse.inserm.fr/en/francais-une-mutation-dun-gene-en-cause-dans-une-maladie-infectieuse-fongique-la-dermatophytose-profonde/9959/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *